OCT | Capacitação em planejamento da paisagem tem segundo módulo realizado

Curso “Planejamento da Paisagem: Gestão de pequenas propriedades rurais e práticas agrícolas sustentáveis”, faz parte do projeto “Desenvolvimento de Habilidades Empresariais de Jovens Agricultores Familiares no Baixo Sul da Bahia”, realizado pela Fundação Odebrecht em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e execução técnica da Organização de Conservação da Terra (OCT).

Os dias 29 e 30 de Junho e 7 e 8 de julho foram marcados por encontros entre as diversas instituições integrantes do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), coordenado pela Fundação Odebrecht, para o segundo módulo do curso de Planejamento da Paisagem. Desta vez,  com o tema “Avaliação da Sustentabilidade”, ministrado por Bruna Sobral, Engenheira Agrônoma, mestre em Ciências Agrárias, e responsável por Planejamento Socioambiental da OCT.

 

Nas oportunidades, os participantes puderam compreender a importância dos indicadores para a gestão sustentável. Segundo Sobral, ferramentas para avaliação de dados são fundamentais para nortear ações nos mais diversos projetos. Focando a capacitação para a utilização destes instrumentos no âmbito rural, a facilitadora apresentou diversas possibilidades para os mesmos. “A utilização de uma ferramenta como o Barômetro da Sustentabilidade, adaptado ao menor sistema (imóvel rural) é um importante instrumento de avaliação e planejamento das nossas ações na busca pela sustentabilidade. Com a integração das dimensões ambiental, social e econômica passamos a avaliar e planejar de forma integrada, com métricas que nos permitem comparar a evolução da sustentabilidade ao longo de um horizonte temporal”, explica.

O Barômetro da Sustentabilidade é uma ferramenta desenvolvida por especialistas ligados ao International Union for Conservation of Nature (IUCN) e ao International Development Research Centre (IDRC) e segundo seus autores, é destinada às agências governamentais e não governamentais, tomadores de decisão e pessoas envolvidas com questões relativas ao desenvolvimento sustentável, em qualquer nível do sistema, do local ao global. O Barômetro possui uma arquitetura aberta, o que permite aos analistas definirem os indicadores e escalas de desempenho de acordo com o conhecimento da área de estudo e disponibilidade de informação.

“A novidade é que adaptamos a ferramenta ao menor sistema, o imóvel rural, onde selecionamos os indicadores que representam nossas ações nas três dimensões (ambiental, social e econômico), e definimos as escalas de desempenho baseado na legislação e no conhecimento do nosso espaço de atuação”, comentou Bruna.Durante os dois dias, os cursistas foram submetidos à teoria e prática, sendo instrumentalizados para iniciar o seu desafio de preparar, ao longo das capacitações, o Planejamento Integrado de uma Propriedade (PIP) a partir da avaliação da sua sustentabilidade.

Segundo Rogério de Matos, assistente educador da Coopatan, o módulo será importante para auxiliá-lo a colocar em prática ações nas comunidades, trazendo qualidade de vida para as pessoas que moram no campo. “O curso hoje vai me permitir levar ferramentas que alimentem a sustentabilidade em campo, implantando sistemas que difundam tecnologias para outras pessoas. Acho que vai ser interessante poder levar uma outra visão de trabalho para os jovens que estão em campo”, comentou.

De acordo com Thales Lima, Monitor da CFR- I, a Casa já vem trabalhando com os jovens algumas questões referentes à indicadores: “esse módulo já despertou em mim algumas adaptações e melhoramentos de alguns indicadores que a gente pode estar levando a campo para quantificar melhor o resultado do nosso trabalho. Gostei bastante da metodologia, está sendo de fácil entendimento, aberta a questionamentos, a expectativa para os próximos já está grande”.

Luciane Manfredi, monitora da CFR – I, explica que a capacitação será passível de ser utilizada de forma empírica em seu dia a dia.  “Eu acredito que com esse curso a gente vá poder ajudar os jovens da Casa a adequar suas propriedades, deixá-la legalizada, além de ser uma experiência nova pra gente.

Para Admilson Sacramento, monitor da CFAF, a aplicabilidade da ferramenta na propriedade é de suma importância na observação de indicadores como um todo.“Essa ferramenta proporciona dados que facilita o estudo detalhado da propriedade. Através das informações geradas, um planejamento de ações poderá  executado , sendo essencial para o desenvolvimento sustentável das comunidades do Baixo Sul da Bahia”, reitera.

Para o Diretor Executivo da OCT, Volney Fernandes, o curso em parceria com o BID e com a Fundação Odebrecht traz mais uma oportunidade de crescimento integrado para as instituições do PDCIS. “Com estas capacitações, e com este módulo em específico, vamos juntos instrumentalizando os líderes para fazer a transformação da sua área de atuação, considerando que podemos avaliar o impacto das nossas ações o que permite ajustes e/ou otimização das estratégias exitosas para a consolidação de um modelo que possa ser multiplicado na escala da paisagem”.

 


  • 12/07/2016 • Geral
  • Facebook Twitter Google+ E-mail Imprimir página

Parceiros