OCT | OCT participa da 1ª Feira da Agricultura Familiar em Piraí do Norte

Na última sexta-feira, 10 de junho, Piraí do Norte, cidade localizada no baixo Sul da Bahia, realizou a primeira Feira da Agricultura Familiar, completando a famosa Festa do Cacau, evento anual da cidade.

A Feira foi promovida pela Prefeitura Municipal de Pirai do Norte, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. A programação, que ocorreu na praça Santo Antônio, teve como intuito orientar e incentivar práticas para o fortalecimento da agricultura familiar na região.  

A abertura do encontro foi iniciada pela Fanfarra Municipal de Piraí do Norte – FAMPN - grupo musical formado por adolescentes e jovens do município. Logo após, o vereador e coordenador do evento, Josiel Amparo, cumprimentou a todos os presentes, e reforçou a importância do momento para os pequenos produtores rurais da região. “É uma alegria imensa estarmos hoje aqui reunidos para a primeira Feira da Agricultura Familiar no nosso município, um dia de troca de conhecimento e experiências para todos nós”, afirmou Amparo.

Participaram da programação representantes municipais, alunos da rede pública de ensino e produtores familiares da região. O encontro contou também com a participação de alguns profissionais da área agrária da região, entre eles, Eduardo Mamédio, Engenheiro Agrônomo e coordenador da área produtiva da OCT, Camila Silva, Engenheira Agrônoma e Edson França, Engenheiro Agrônomo do Consórcio Intermunicipal da APA do Pratigi - Ciapra.

A primeira palestra foi realizada por Eduardo Mamédio que pontuou sobre a sustentabilidade e respeito a biodiversidade e os recursos naturais, destacando ainda a relevância da assistência técnica qualificada para o pequeno produtor familiar, demonstrando a relevância do trabalho da organização nas propriedades rurais. “É necessário que os produtores possam produzir com dignidade para alcance de uma boa produtividade, essa é a relevância do nosso trabalho, transmitir em ações que a agricultura familiar pode ser consorciada com a preocupação ambiental, e a assistência técnica qualificada pode mudar a realidade de uma região” salienta Mamédio.

Em seguida, Edson França explanou sobre produção de mudas, nutrição de plantas e manejo de solo. Segundo França, a análise do solo não pode ser realizada tempestivamente, tem que ser adotada como uma prática contínua, realizada todos os anos. “A análise do solo nos permite identificar a quantidade de nutrientes, matéria orgânica e o pH que o solo tem. Ela é muito importante, pois nela é feita a recomendação da calagem e a quantidade dos nutrientes necessários para a produtividade das plantas. É essencial que o processo da análise de solo seja feito corretamente. Muitas vezes é na amostragem que ocorrem erros que comprometem o resultado da análise e da recomendação técnica”, salienta França.

A estudante do Colégio Estadual Luís Navarro de Brito, Iris Barbosa, que esteve presente na feira, ressalta que o encontro trouxe lições importantes para seus estudos e posterior carreira profissional. Para a jovem do curso Técnico de Agropecuária é indispensável agregar o conhecimento e as experiências dos profissionais que já estão atuando na área. “Esses profissionais conhecem de perto a realidade dos pequenos produtores rurais, já tem noção das medidas e ações necessárias para serem aplicadas nas propriedades, muitos deixam de procurar assistência técnica por entenderem que não precisam de ajuda, mas isso é engano, é fundamental saber como gerir a sua plantação, as falas dos palestrantes mostraram que é necessário fazer um bom estudo da dosagem certa dos nutrientes que as plantas precisam para garantir uma boa produtividade”, explana Barbosa.

Para Manoel Fidelis de Souza, produtor rural assistido pela OCT, a feira foi muito importante, porque trouxe a reafirmação de que todos precisam de assistência técnica e profissionais para ajudar no desenvolvimento da roça. “A maioria é desinformado, a gente tinha a crença de que nossa propriedade não precisava da ajuda e conselho de outras pessoas. Hoje tenho uma visão diferente da agricultura, sei que é indispensável contar com profissionais técnicos na área rural, quem tem a experiência do estudo e pode nos ajudar a melhorar o manejo, a adubação, e a produtividade das plantas, finaliza Souza.

Durante a programação, os visitantes e convidados puderam conferir uma pequena exposição com mudas de algumas espécies frutíferas, como laranja, cajarana, cacau, entre outros, além de alimentos produzidos por pequenos produtores familiares, como abacaxi desidratado, palmito fresco, chocolate artesanal, mingau de milho e canjica.

 

 

 

 


  • 15/06/2022 • Geral

Calendário 2022

Calendário 2022

Calendário Anual 2022 com espécies da Mata Atlântica.

Parceiros